Sabe aquela sensação de harmonia que algumas marcas e sites passam para o usuário logo de cara? Pois é, alguns fatores influenciam neste apelo, mas um dos principais é a identidade visual. Esse termo já se tornou bastante comum, entretanto, para algumas pessoas, pode ser um bicho de sete cabeças. Mas não é! Afinal de contas, o que é Identidade Visual?

Para facilitar, é necessário pensar na Identidade Visual em algumas frentes. Duas das principais são comunicação e no design propriamente dito. Na primeira frente, a Identidade Visual deve ser projetada como uma forma de transmitir uma mensagem que entregue as ideias e valores do seu negócio, de uma maneira, claro, visual.

Já no ponto de vista do design, a coisa já fica mais técnica. Isso porque é preciso aplicar um padrão com regras para transmitir este aspecto visual que foi pensado na frente da comunicação. Ou seja, a marca deve ter regras como tipografias, paleta de cores e outros elementos que tenham, de forma pré-estabelecida, o seu momento de brilhar.

Após um breve resumo, já dá para ter uma noção geral do que é Identidade Visual não é? Mas, afinal, como criar a sua própria? Se liga nas dicas da Monstra!

Logotipo = símbolo + texto

Esse aqui é o pilar das marcas. Afinal, o logotipo de um produto é um dos fatores que mais pesam para definir um projeto de Identidade Visual bem sucedido ou não. Sabe aqueeeeeelas marcas de sucesso que você sabe do que se trata só de visualizar o logotipo? Pois é… 

E é essa a função de um logotipo: ser a representação visual imediata de uma empresa ou marca. Uma verdadeira solução criativa! E aqui entra um fator que não dá para ser ensinado e só é possível constatar a necessidade dele, que é a criatividade. O que dá para falar é que, muitas vezes, menos é mais. É possível transmitir uma mensagem ou uma identidade sem precisar exagerar nas cores ou na tipografia. E para ver como isso funciona, não precisa ir longe, basta pensar nos grandões do mercado!

Consegue pensar em uma logotipo mais minimalista e eficiente do que o da Nike? Fala sério, é um risco com uma cor de fundo chapada, mas, ainda assim, na hora que a comunidade bate o olho na logo, a frase “Just do it!” parece completamente pertencente a essa marca criada.

Como dissemos: soluções criativas eficazes onde menos é mais.

Paleta de cores e unidade com a marca

A famosa paleta de cores. Aquele termo que pessoa metida a cinéfilo tenta utilizar para parecer mais cult, sabe? Mas, a paleta de cores não é nenhum monstro dentro do armário não. Esse termo nada mais é do que o conjunto de cores que uma marca abraça para ajudar a emplacar o que é sua identidade visual aos usuários.

Uma das principais funções da paleta na construção da Identidade Visual é criar uma unidade entre a marca e os elementos presentes em todo o projeto gráfico da instituição. Assim como acontece com o logotipo, um trabalho bem executado de paletas de cores facilita a associação entre nome e tons utilizados. Quer ver um exemplo? Aposto que a foto a seguir vai te fazer lembrar de alguma marca…

Essa foto da atriz Zendaya foi feita para uma publicação na revista TIME, dos 100 maiores influenciadores de 2022. Mas, é possível que metade dos brasileiros mais desavisados possam achar que se trata de uma propaganda da TIM. Tá bem, provavelmente muitos podem ter questionamentos aos serviços telefônicos da operadora. Contudo, se existe uma coisa que essa foto prova, é o trabalho bem executado da TIM no uso de paleta de cores para criar uma unidade com a marca.

Vale ressaltar que os tons utilizados em algum projeto gráfico, devem seguir uma hierarquia. Assim, parte importante da construção de uma Identidade Visual passa exatamente por conhecer bem a marca/produto e saber com precisão quais características a empresa quer ressaltar. Uma divisão comum utilizada no meio é a seguinte:

  • Cor principal
  • Cor auxiliar
  • Cor para detalhes

Tipografia de apoio

Esse aqui é um tópico que, com certeza, pode ter sua importância subestimada, uma vez que é considerado tedioso. Afinal de contas, ao descobrir que tipografia de apoio é, principalmente escolha de fontes, pode dar uma preguicinha, não é?

Mas o formato da escrita de algumas palavras pode transmitir sensações diferentes. É tipo quando as pessoas estão na quarta série da escola e, normalmente, as crianças mais “atentadas” da sala, possuem uma letra mais descuidada. Já no mundo do digital, não é possível escrever de uma forma feia, mas é bem possível escolher fontes que não casam com a ideia que sua Identidade Visual quer passar na presença online.

Não confia neste texto? Tudo bem, então se liga aí no processo que a TV Globo teve para construir, do zero, uma fonte própria. Recentemente, a gigante emissora passou por algumas alterações sutis, porém nem tanto, em toda a tipografia utilizada pela empresa. A justificativa para a alteração? A necessidade de encarar os elementos tipográficos como um ativo da marca Globo.

Grafismos – ofereça recursos para sua identidade visual

Quando se fala de logotipo, falamos de que menos é mais, correto? Essa é uma forma de demonstrar recursos que, muitas vezes, são pessoais de cada designer. Afinal, criatividade e invencionismo não se ensinam. Entretanto, no aspecto técnico, a Identidade Visual de uma marca deve ser construída de forma a possuir recursos de suporte. E estes são os grafismos.

Mas que palavra difícil é essa, meu Deus? Grafismos nada mais são do que elementos visuais de complemento que tem como função ajudar a construção das peças de uma empresa, além de cumprir o objetivo de entregar a mensagem desejada. Um exemplo claro de marca que sabe utilizar os grafismos consolidados em sua marca, em outras peças, é a Adidas. Aquelas três listrinhas são grafismos que se tornaram característicos da Identidade Visual da empresa.

Assim como pontuado acima, os grafismos são utilizados para ajudar na construção de peças, não é? Então é fundamental que a marca/empresa construa uma Identidade Visual com um padrão de grafismos pré-estabelecidos, para dar recursos à criatividade da equipe de designers.

Desenvolva um Manual de Identidade Visual

A definição de todos os pontos citados, bem como outros menores, para a construção de uma Identidade Visual, devem resultar em um Manual de Identidade Visual da empresa. Estudar para construir todos os elementos que foram trabalhados no texto, naturalmente resultará em um compilado de regras, bem como de valores da marca.

O trabalho criativo inicial sempre será um dos maiores desafios da empresa. Porém, se for bem feito e estruturado em um guia, irá facilitar todos os trabalhos subsequentes. Afinal de contas, uma Identidade Visual bem estruturada e “gravada” cria uma unidade nos trabalhos futuros daquela marca. 

Crie um manual e não será necessário que exista dúvida ou desgaste para pensar em cores, fontes e grafismos que serão utilizados constantemente.

E aí, bora criar uma identidade visual marcante?!



Fale com um monstro

Deixe um comentário

4 × um =